25/09/2009 actualizado às 18:08
Economia China "revolucionou" fluxos de investimento ...  «  Economia  « Página Inicial |

China "revolucionou" fluxos de investimento internacional

A crise financeira provocou uma alteração na composição dos fluxos de capitais à escala mundial visível já no final de 2008. China e Hong Kong tornaram-se o segundo destino mundial de investimento directo estrangeiro e o mesmo bloco entrou para o clube dos cinco maiores investidores no estrangeiro.

Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)
9:52 Sexta-feira, 25 de Set de 2009
Deixe aqui o seu comentário Comente   [109 visitas]
Aumentar Texto Diminuir Texto Link para esta página Imprimir Enviar por email
del.icio.us technorati digg facebook myspace reddit google search.live newsvine

A crise provocou já uma mutação no perfil dos fluxos de investimento mundiais no final do ano passado, o período agudo do Grande Pânico financeiro. Há uma clara emergência dos países em desenvolvimento e em transição (classificação técnica seguida pela UNCTAD) nestes fluxos internacionais, sublinha-nos o analista indiano Ashutosh Sheshabalya.

Essa mutação é já mais visível no que respeita aos destinos do Investimento Directo Estrangeiro (IDE) do que no perfil dos países que mais investem no estrangeiro.

O IDE destinado aos países em desenvolvimento e em transição (estes últimos incluem os antigos países da Federação soviética e da antiga Europa de Leste) passou a representar 43% do total desses fluxos, subindo 11 pontos percentuais em relação a 2007, um crescimento muito assinalável, segundo dados, agora, divulgados pela UNCTAD (organismo das Nações Unidas para a Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento) no seu relatório World Investment Report com dados finais para 2008.

O bloco formado pela China e Hong Kong atraiu, em 2008, 171 mil milhões de dólares de IDE, colocando-se como o segundo mais importante destino do mundo, a seguir aos Estados Unidos, que atraíram 316 mil milhões. Apesar da crise, os EUA mantiveram uma capacidade de atracção assinalável, tendo o IDE crescido 17% em relação a 2007. A França e o Reino Unido sofreram quebras importantes como destinos do IDE, tendo sido ultrapassados pelo bloco chinês. A Rússia, com um crescimento de 27% do IDE, posicionou-se em quinto lugar, em virtude da quebra brutal ocorrida em relação ao Canadá. No conjunto, os BRIC representaram, em 2008, 1/5 dos destinos de investimento, o que compara com os EUA que representaram 26%.

No campo do investimento no estrangeiro, o desequilíbrio nos exportadores de capital é ainda muito grande, com os países desenvolvidos dominando esses fluxos em 81%, e com os EUA liderando com 17%. Apesar de os BRIC representarem, apenas, 11%, o bloco China e Hong Kong conseguiu subir para o último lugar do clube dos 5 maiores exportadores de capitais, depois dos EUA, da França, Alemanha e Japão.

O bloco chinês ultrapassou, em 2008, o Reino Unido, que saiu fora do clube dos cinco, em virtude de uma quebra de 60%. Neste clube restrito, o Japão aumentou em 74% o seu investimento no estrangeiro e o bloco chinês em 35%.

Os chineses desenvolvem desde há alguns anos uma estratégia de projecção externa conhecida como "go global" e os japoneses voltaram, de novo, à arena internacional na qual tinham estado muito activos nos anos 1980 antes do início da crise interna prolongada que assolou o país do Sol Nascente. China e Japão, recorde-se, são os dois países com maiores reservas em divisas estrangeiras do mundo, respectivamente 2,3 biliões (incluindo China e Hong Kong, ou seja mais de 1500 mil milhões de euros, 25% de todas as reservas em divisas estrangeiras no mundo) e 1 bilião de dólares (670 mil milhões de euros).

Tanto Sheshabalaya como William Thomson, presidente da Private Capital sediada em Hong Kong, vêm nestas mutações "indicadores de uma multipolaridade crescente e de uma difusão do poder geoeconómico" que já não se revia na composição do G7, a cimeira mundial que dava cartas antes da crise. A subida da China em ambos os tipos de fluxos de investimento leva Thomson a prever que "a relação bilateral entre os EUA e a China se torne na mais importante do mundo", enquanto o analista indiano sublinha que esse "tango macabro a dois coloca vários dilemas à China a médio prazo".

 

PUB
 


Aviso
FAQ. Como funciona a comunidade no Expresso
Para fazer o seu comentário precisa de estar registado. O registo é gratuito e demora pouco mais de 30 segundos.

Se já for utilizador registado, coloque o seu mail e palavra-chave nos campos para o efeito, na página de registo. Depois disso, poderá comentar qualquer conteúdo.

Clique aqui  para se registar.

Em caso de dúvida escreva-nos para novosite@expresso.pt, seremos tão breves quanto possível a responder.

Miguel Martins, Editor de Multimédia do Expresso

Retoma: o fantasma da estagnação à japonesa

16:54 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[135 visitas]

EUA vão começar a reduzir apoios governamentais

15:46 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[111 visitas]

TAP cancelou mais 50 voos

14:09 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[224 visitas]

João Serrenho preside à Confederação Europeia da Indústria de Tintas

12:29 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[141 visitas]

Vídeo: Qual é o futuro de Portugal?

11:25 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[800 visitas]

G20: Líderes acordam limite dos bónus

10:47 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[312 visitas]

TAP admite dia mais complicado

9:59 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[337 visitas]

China "revolucionou" fluxos de investimento internacional

9:52 Sexta-feira, 25 de Set de 2009,
[111 visitas]

A primeira página de Economia

23:00 Quinta-feira, 24 de Set de 2009,
[1961 visitas]

G20: Jogada de antecipação europeia

19:32 Quinta-feira, 24 de Set de 2009,
[235 visitas]
Leia aqui toda a informação das últimas 24 horas | últimos 2 dias |  anterior »
Grupo ImpresaACAP